Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MãeTástica

Tenho 2 filhos com 1 ano de diferença entre eles. Sou mãe, dona de casa e neste cantinho conto as peripécias reais de uma família normal. Entrem comigo nesta aventura

MãeTástica

Tenho 2 filhos com 1 ano de diferença entre eles. Sou mãe, dona de casa e neste cantinho conto as peripécias reais de uma família normal. Entrem comigo nesta aventura

#elenão #elenunca


Sou contra, sou contra e preciso enumerar as razões? Não, não o vou fazer. Bolsonaro nunca!

transferir.jpeg

(Imagem retirada daqui)

 

Imaginem que isto acontecia em Portugal e vejam o desespero daquelas pessoas se aquela coisa ( sim, era impossivel chamae ser-humano, homem..áquela coisa)subir ao poder. Imaginem o nosso desespero num país sem liberdade, sem os direitos que tanto tempo levam a conquistar. E se levam...a justiça é lenta mas mais vale tarde que nunca certo? Imaginem não haver justiça.

Se bem que ás vezes penso que retroceder para o tempo da pena de morte em Portugal não era mau pensado!

#elenão.

Eu vou começar e vamos ver quantos comentários, quantos #elenão andam aí.

Pérolas #5


Rodrigo: Vamos brincar de mães e médicos. Sou o Doutor e tu és a mãe da Lili.

Matilde: Anda Lili vamos ao doutor tratar do teu doidoi.

Chegam ao consultório(presumo eu)

Rodrigo: Olá Mãe da Lili. O que é que ela tem?

Matilde: Sei lá, tu é que és o médico. Vê a barriga e os ouvidos que eu vou beber café. 😂😂

Não sei onde é que ela foi buscar isto, mas nunca a abandonei no doutor para ir beber café. Vou ter pena dos meus netos.

A EDUCAÇÃO É DA RESPONSABILIDADE DOS PAIS


Ao ler este post da querida Maribel fiquei super revoltada.. A imagem nao poderia ser mais acertada. Tanto que isto seria a resposta ao post dela mas era tão comprida que será um post meu.

O mais importante e que devia de estar em maiúsculas. "A EDUCAÇÃO É DA RESPONSABILIDADE DOS PAIS".
E educar não é deixá-los das 7:30 ás 19:30 na escola e esperar que eles sejam crianças felizes e com valores. Esses pais têm sorte se o filho for bem educado, pois o que aprendem é só nas escolas.. os professores e educadores não podem ser responsabilizados pela educação das crianças mas por vezes, se não forem eles a guiar estas crianças, não há ninguém que o faça. E não me venham dizer que no fim de semana os pais têm mais tempo para eles. É mentira. Durante a semana têm tempo para lhes dar banho (se tomarem) jantar e pô-los na cama. No fim de semana se for preciso vão ter com avós e nada de tempo de qualidade com as crianças. Obviamente que não estou a falar dos pais que não têm mesmo hipóteses de contornar a situação, mas ir levar os miúdos á escola, ir para a praia e só ir buscar os miúdos á última hora permitida.. não meus senhores! Mil vezes não.

Precisamos de pais mais presentes, de pessoas mais apoiadas. Portugal não ajuda, mães e pais com filhos pequenos não têm apoios de nada, a entidade patronal prefere explorar horários e turnos e objectivos a ter uma política mais humana. E isso entristece-ne e deixa-me com um pouquinho de raiva.

Moro em frente a uma escola primária e ás 7:30 da manhã já estão a entregar crianças á porta da escola. E muitas dessas crianças só saem ás 19h30. Estou a falar numa escola PRIMÁRIA. Crianças todas com menos de 10 anos. Muitos são da 1a classe, da pré. Da pré... Com 3/4/5 anos. 

Sei que quando a Matilde entrar na escola eu vou tentar arranjar um trabalho. E sei que vou andar muito tempo á procura. E se calhar nem existe o que eu quero. Mas recuso-me, RECUSO-ME a fazer isto aos meus filhos. Preciso deles e eles precisam de mim. Precisamos de estar juntos, de criar uma ligação saudável. Quero um trabalho com folga de fins de semana, horário das 9h00 as 17h00 no máximo. Sem turnos, sem folgas rotativas, se for preciso sem hora de almoço. Mas que me dê tempo para ir buscar os miúdos a escola, que eu posso estar com eles no final do dia, com tempo para fazer os trabalhos de casa, conviver. 

E para os pais que vão depois gritar com os professores, e para os miúdos que desrespeitam os adultos, lembrem-se que as nossas mães ficavam conosco em casa, que na maioria das vezes as nossas avós cuidavam de nós e nós estávamos acompanhados, sabíamos que o adulto é uma figura de autoridade que devemos respeitar e quem nos ensinou isso? Os nossos pais ou avós, o convívio com a nossa família, não aprendemos essas bases na escola. 

"Ah, os tempos mudaram, os pais têm que trabalhar" pois têm, têm que trabalhar, não têm que ser escravos do próprio emprego. Estão a esquecer-se do mais importante, do amor e da educação dos nossos pequenos.  Fazemos revoluções por tanta coisa... Porque não revoltarmo-nos sobre este assunto? É que quem vai pagar esta fatura mais alta somos nós. Porque quando os nossos filhos forem adultos vamos ver onde errámos e se calhar foi naqueles dias em que os depositávamos 12h numa escola primária.

Isto será um alerta para todos, sei que há pessoas que não podem mesmo, não têm ajuda de ninguém, não têm mesmo outra opção. Mas também só se vai sentir ofendido se a carapuça servir, e se não pensarem nas crianças que estamos a criar.. a próxima geração de abandonados. Ou na escola, ou em frente a um tablet.....

Acho que já chega... Mas isto revolta-me e agora que descarreguei a raiva já me sinto mais aliviada.

Estar na moda


Não sou aquela pessoa que anda sempre á procura das novas tendências. Estar na moda para mim tem vários significados. Entre seguir estilos super inovadores, ter o último topo de gama de telemóvel com 5 câmaras e 30 maneiras de bloquear e desbloquear, usar o último grito da moda no que toca aos trapinhos que metemos em cima. As comidas que estão na moda também dão que falar. E começo a perceber que eu ando beeeem desactualizada.

Devo ter sido a última pessoa da família e de todos os meus amigos a ter um smartphone. E sinto tantas saudades das teclas...

Adoro a música dos 80's 90's.

O meu guarda roupa passa por t-shirts e 2 blusas mais bonitas 2 calças de ganga, uns calções e 2 pares de ténis. SÓ. Tenho um casaco para o frio.

Sushi? Açaí? Sementes de papoila? Quinoa? Tapioca? Smooties? Whaaat?

Já agora, smooties são simplesmente batidos pessoal.. batidos.

Qué feito do belo frango assado no forno com arroz e batata e aquele molho divinal?

Dum esparguete com almôndegas?

Do bacalhau cozido com grão? 

Não deve ser nesta vida que eu vou provar essas coisas todas chiques que todos comem. E eu gosto muito do básico e bem feito.

Exercício físico, tonificar, alisar, botox e maminhas? Faço o meu yoga sim. Medito porque me sinto super bem. Mas mesmo antes da moda aparecer. 1995 e eu já me sentava na natureza de olhos fechados a respirar e a sentir o mundo e a respiração. Agora os exageros de hoje em dia....not! 

Pronto, tantos exemplos que eu tinha pra dar que não acabava mais. Mas tenho filhos. Miúdos na escola que estão agora a começar a absorver modas. E tenho que tentar acompanhar o mundo senão vou ser uma velha chata e rabugenta em que os meus filhos me chamam cota e eu não sei nada do novo mundo.

Aprendi a semana passada o que são zomlings... E acreditem que queria voltar atrás no tempo. E no meu resumo, zomlings são bonequinhos para pôr na ponta do lápis na escola, como os que saiam nas batatas fritas. Tipo Matutolas mas em borracha.

A miúda tem umas músicas super preferidas, que me dão um ataque de coração quando as ouco... Uma diz "Eu to bem, você tá bem não sei quê mafiosa mafiosa" e a outra " todo mundo para a esquerda, todo mundo pra direita.. mexe o bumbum" MEXE O BUMBUM?? Dou com ela a brincar sozinha e a cantarolar estas coisas. Quais Caricas do ano passado? Musicas do alfa e músicas infantis.. ADEUS e que fiquem bem no vosso CD porque nunca mais vão ser ouvidas.

Com 3 anos a miúda só quer é músicas com boas batidas pra abanar o capacete. O meu filho com 4 anos ouviu uma música "cheguei" e cantou tudo do princípio ao fim. Onde é que eu estava para ele aprender aquilo sozinho?

Sei que a letra pra eles ainda não é nada de preocupante, eles não associam a nada. Eu também sabia umas bem estranhas e agora quando as ouço sei que na altura só gostava mesmo era de cantar e dançar. Sabia lá que o "Tchan" ou o "Bixo" tinham conotação menos próprios para a minha idade? Queria era cantar alto e em plenos pulmões porque sabia a letra toda.

Em termos musicais já vi que não têm remédio. Ouvem as minhas preferidas também e cantam, mas gostam mesmo das músicas da moda. 

Em estilo de roupa...ainda sou eu que escolho. Tanto que hoje ela saiu pra rua assim: 

IMG_20180928_091114_HDR.jpg

 Gira tá? O paninho na cabeça ainda era meu. 

IMG_20180928_084345_HDR.jpg

 Enquanto for eu a escolher a roupa a coisa não fica muito má. É o que se tem. Mas quando forem eles...

To a imaginar a minha filha com a barriga á mostra, as bochechas do rabo a verem-se, daqui a uns 13 anos já devem de andar de mamilos de fora quem sabe?

Ele com cabelo só de um lado e de várias cores, com uma música bem parva em alto e bom som enquanto espera pelos amigos... a falar um "mékié sócio, curtes a dama que passou aqui com ganda rabo??"

(Ouvi isto duns miudinhos do 6 ano a falar entre eles.) Acho que precisam de aprender a falar melhor, e respeito pelas meninas, só acho!

Não estou na moda, mas se eles começarem a andar na moda eu atiro-me duma ponte. E se falarem assim eu faço questão de me atirar dum avião sem paraquedas. O mundo já está perdido, não preciso de seguir modas pra saber que vai de mal a pior.

Sem redes sociais e um blog


 

Eu não tenho redes sociais. Não uso. Se por acaso eu quisesse expandir o meu vasto conhecimento a mais pessoas eu fazia um Facebook, um Instagram ou qualquer coisa que agora se use porque eu sinceramente não conheço. Até já pensei em fazer, apenas para divulgar o blog e mais pessoas o conhecerem. 

Se isso me prejudica? É capaz, porque queria que mais pessoas lessem o que escrevo. Porque gosto de responder a perguntas, de atender a pedidos. 

Como me sinto com 2 visualizações por dia? Bem.

E com 50 (na loucura)? Bem

E com 0? Aí fico meio triste, penso em desistir de tudo. Só que não!

Gosto de escrever, este espaço serve para me divertir e para me distrair..se chegar a muitas pessoas, óptimo. Se chegar a poucas, óptimo também. Até porque se não é divulgado, não pode ser conhecido certo?

Nestes poucos meses de escrita já conheci bastantes pessoas muito simpáticas. Já li opiniões sobre imensa coisas, já me ri, já chorei. E é isto que a blogosfera promove, a partilha. 

Se acham que eu sou uma rapariga digna de uma partilha nas redes, estejam á vontade. Se acham que um comentário pode acrescentar algo ao que escrevo, comentem. Se não acrescentar comentem também. O que eu quero é que se sintam bem quando me visitam e que tenham gosto em conhecer o que aqui vou escrevendo.

A única rede social que tenho é o meu blog, e esta relação que tenho com ele é assim de um amor grande. Adoro vir aqui, partilhar as peripécias daqui de casa, partilhar momentos, dar opiniões.

Vejo pessoas com blogs de 10 anos, de 7, cheios de artigos para ler e viajar.Quero um assim.

Tento vir todos os dias um pouquinho e cada vez gosto mais de andar aqui a passear pelo SAPO. 

Já tive 2 destaques, tenho 80 posts, 130 comentarios. E sabe tão bem ver este cantinho a crescer. E que cresça muito mais, devagarinho como o caracol. E que eu continue a escrever parvoíces, que nunca acabe. 

E sejam sempre bem-vindos, sintam-se em casa. Mi casa su casa

Pág. 1/4