Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MãeTástica

Tenho 2 filhos com 1 ano de diferença entre eles. Sou mãe, dona de casa e neste cantinho conto as peripécias reais de uma família normal. Entrem comigo nesta aventura

MãeTástica

Tenho 2 filhos com 1 ano de diferença entre eles. Sou mãe, dona de casa e neste cantinho conto as peripécias reais de uma família normal. Entrem comigo nesta aventura

Mãe, aquele menino bateu-me!


Pois, leram bem. Hoje ouvi do meu pequenino uma queixa que me deixou com os cabelos em pé e de coração partido.

Na saída da escola, quando o fui buscar, vinha o rapaz todo contente de mochila e casaco na mão quando pára ao meu lado, aponta para um miúdo de 5 anos e diz: Mãe, aquele menino bateu-me. 

A minha primeira reação foi lançar faíscas pelos olhos ao miúdo. Acho que ele percebeu pois baixou a cabeça assim que me olhou nos olhos. 

Já mais calma e em casa perguntei-lhe o que tinha acontecido e perguntei váááárias vezes o que é que ele tinha feito de mal para o menino lhe bater. 

O Rodrigo só dizia que estava ao pé do escorrega e o menino chegou lá para o empurrar e deu-lhe dois socos ao pé do coração. Ele ficou aflito e depois foi dizer á educadora que pôs o miúdo em questão de castigo. Mas para meu espanto já tinha acontecido mais uma vez.

Perante esta descrição fui perguntar a mais mães se tinham queixas de alguma situação parecida e... há imensas. 

Pelos vistos o miúdo está sempre a bater nos outros, com socos e pontapés, porque sim. Porque quer os brinquedos, porque não saem da frente, porque porque porque.... já bateu em alguns, e até gozar e faz mal a um menino na escola que é autista. Ora acho que o miúdo não tem educação, ou se tem é muito pouca.

Numa situação destas não sei como reagir, mas no meu entender os miúdos são tão pequenos que acho que primeiro têm eles que se entender. Mas como já reparei que ele só anda ao soco aos mais quietos, decidi dar uma lição de defesa ao meu filho caso aconteça de novo. 

1°- Tem que me contar o que se passa na escola, principalmente estes episódios para eu depois o poder ajudar.

2°- Caso o menino te bata outra vez, tu fechas bem a mão e dás um soco igual ao que ele te deu. Ele bate em ti porque sabe que tu choras, se lhe deres um soco igual ele vai aleijar-se e já não te bate mais.

3°- Só usas a tua mão fechada em caso de urgência. Não vais ter com o menino e bates, esperas que ele vá ter contigo noutro dia qualquer, só estás autorizado a dar um soco a alguém em defesa. 

-Mas mãe, e se eu não lhe conseguir dar um soco?

- Mexes a tua perninha e pregas-lhe um pontapé. Só em defesa ouviste?

Entretanto estamos a pensar em por o Rodrigo no karaté.

qkstq7xw-1361332831.jpg

 

A Matilde veio logo em defesa do irmão.

Se ele te bater, não tenhas medo e dá com força, se tiveres medo dizes que dou eu! 

Com o feitio dela, ninguém faz farinha.

Entretanto na segunda feira já tenho um assunto para falar com a educadora. Decidi assim pois não é um caso isolado, e até sei de um amiguinho que foi defender o Rodrigo. 

Ainda não quero levar o assunto a extremos porque são pequeninos e espero que não se repita mas vou alertar a educadora para o caso de ver o Rodrigo a mandar um soco no puto. 

O principal problema dele era:

- E se eu ficar de castigo?

Ficar de castigo é uma consequência de mau comportamento, mas mesmo que fiques, não precisas de te preocupar pois vais explicar que só te tavas a defender.

Por agora reagi assim mas sinceramente acho que preciso de umas dicas pois não é minha intenção incentivar a violência como resposta. No entanto se continuar, e se depois dele se defender o miúdo continuar a bater no meu filho, vou ter de chamar os encarregados de educação do menino á razão. 

Ajudem-me nos comentários. Já tiveram situações destas? Como lidaram? Ou se fosse com o vosso miúdo o que fariam? 

Estou meio perdida e chateada, sinto que não estou a dar o melhor exemplo em incentivar que o Rodrigo se defenda com outro soco. 

Na loucura quem dá um soco ao outro sou eu. Ahahah

21 comentários

Comenta o que acabaste de ler